Calvin Klein explica como lida com a polémica

Melisa Goldie, directora de marketing da Calvin Klein desde Outubro de 2014, diz que a marca é constantemente alvo de censura mas que, ainda assim, as campanhas mais controversas são para continuar. Em declarações avançadas pelo site The Drum, a CMO da empresa norte-americana explica como a Calvin Klein lida com a polémica.

A escolha de embaixadores não consensuais não é novidade para a marca. Já nos anos 80, a campanha de Brooke Shields com apenas 15 anos gerou algumas reacções menos positivas entre o público, bem como a campanha com Kate Moss e Mark Wahlberg em 1992. Mas, então, porquê insistir?

Melisa Goldie conta que a controvérsia faz parte do ADN da Calvin Klein e que não faz sentido mudar. No entanto, é preciso ter em conta um certo equilíbrio: «sexy e acessível, luxuoso e massificado, alta costura e altamente prático, estas são as contradições aparentes que estão no coração daquilo que transforma a Calvin Klein numa marca».

Por isso mesmo, a campanha lançada já pela mão da nova CMO com Justin Bieber no papel principal tem sido difundida cuidadosamente. Melisa Goldie explica que, por exemplo, em alguns estados norte-americanos, a campanha com o cantor canadiano será mais discreta para não alienar por completo consumidores mais tradicionais.

Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

Multipublicações

Human Resources
O impacto da Inteligência Emocional nas empresas
Automonitor
História: O dia em que o Papamóvel foi salvo