Banco Rural Europa avança em Portugal

banco1O banco brasileiro, que chegou a estar interessado na privatização do BPN, deixou a operação na Madeira com o fim do ‘off-shore’ na região e veio para Lisboa, onde tem já um escritório na Avenida Miguel Bombarda. O objectivo é expandir por todo o País e não está posta de lado a hipótese de avançar para algumas aquisições.

<div style=”padding-top: 10px”><p style=”text-align: justify;”> Luís Rodrigues e Cláudio Silva, administradores do Banco Rural Europa para Portugal, aproveitaram o evento para sublinhar que a vocação da instituição são as empresas, com Luís Rodrigues a admitir também que o objectivo do banco é “crescer de Portugal para a Europa”.

<div style=”padding-top: 10px”><p style=”text-align: justify;”> O Banco Rural Europa S.A. tem sede em Belo Horizonte, Brasil, e foi fundado em 1999 para actuar na captação de poupanças e apoio ao ¬financiamento de operações de comércio exterior – Trade ¬nance, Forex e Private. A experiência adquirida localmente permitiu à instituição alargar o espectro de actuação a outros mercados e a outros serviços. Hoje oferece serviços na Banca Comercial, Private e na Banca de Investimentos. Pertencendo ao Sistema Financeiro Rural, no Brasil, é constituído por diversas empresas do sector ¬financeiro e não fi¬nanceiro daquele país, sendo o Banco Rural S.A. detentor de 99,6% do Capital do Banco Rural Europa S.A.

<div style=”padding-top: 10px”><p style=”text-align: justify;”> No Funchal, na Ilha da Madeira, tinha iniciado a sua actividade em Junho de 1999. Chegou a Lisboa em Janeiro, e está ainda presente em Londres, Luanda, Madrid e Miami.

<div style=”padding-top: 10px”><p style=”text-align: justify;”>A instituição conta actualmente com uma carteira de crédito de 50 milhões de euros em Portugal, sendo que o objectivo é duplicar o volume de negócios este ano.

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

Multipublicações

Human Resources
O impacto da Inteligência Emocional nas empresas
Automonitor
Está grávida? Veja o que deve (e não deve) fazer se for conduzir