António Raminhos promove nova marca da Primavera

O novo software de facturação e gestão da Primavera foi desenvolvido a pensar nos Millennials, permitindo a criação de notas de encomendas, facturas e guias de transportes, entre outras operações. Tudo com recurso à nuvem.

Lançada sob a designação Jasmin, a nova marca da tecnológica portuguesa tem como destino startups, empreendedores, micro e pequenas empresas. É, por isso, uma marca “mais jovem, arrojada e diferenciadora”, segundo explica a Primavera em comunicado.

Idalina Sousa, directora de Marketing da Primavera, refere ainda que a criação de uma nova marca permite à empresa «trabalhar com maior liberdade e criatividade e assumir um posicionamento distinto do que tem a marca mãe».

Para comunicar a novidade, a tecnológica conta com a ajuda de António Raminhos, que protagoniza a campanha de lançamento da Jasmin: “Ele próprio um empreendedor que personifica as exigências actuais dos jovens empresários.”

Todos os interessados em testar o software podem aceder ao site da Jasmin e aproveitar a versão gratuita que a Primavera disponibiliza. Com esta versão, os jovens empresários podem facturar até 30 mil euros sem qualquer custo associado. “Concentre-se no negócio, o software fica por nossa conta” é o lema da Primavera no que respeita à disponibilização de opções gratuitas, algo que faz desde 2006.

Actualmente, a Jasmin está disponível apenas no mercado português mas a Primavera espera internacionalizar a nova marca e respectivo produto a curto-prazo. Idalina Sousa acrescenta que «a preocupação com a internacionalização está patente na escolha do naming, global e bastante distinto do que se encontra no sector do software de gestão».

Veja, em baixo, a campanha com o humorista António Raminhos no papel principal e ainda um vídeo de apresentação geral da Jasmin:

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

Multipublicações

Human Resources
Esta ferramenta promete vir revolucionar a Segurança e Saúde no Trabalho
Automonitor
Está grávida? Veja o que deve (e não deve) fazer se for conduzir