A opinião de Sandra Alvarez (PHD): Era uma vez… um marketeer!

Por Sandra Alvarez, directora-geral da PHD

Fazendo uma rápida procura no Google por “Vivemos na era…”, as primeiras três respostas que surgem são “… digital”, “… da tecnologia”, “… do conhecimento e da informação”. Se esta é uma janela para o que é o nosso presente, como será o nosso futuro? As três pesquisas sugeridas são alternativas bastante adequadas para descrever o mundo em que vivemos: um contexto caracterizado pelas transformações digitais e tecnológicas experimentais. Uma realidade pautada pela volatilidade, incerteza, complexidade e ambiguidade. Podemos não saber o que o futuro nos reserva, mas é relativamente seguro assumir que será mais imprevisível.

Marketing, por definição, é a área que se dedica à criação, comunicação e entrega de valor acrescentado para satisfazer as necessidades do consumidor. Essa criação de valor, no seio da complexidade que é o mercado onde o marketeer opera, é uma actividade exigente, especialmente quando motivada pela disrupção constante dos avanços tecnológicos, como a pesquisa no Google indicou. Realidades como o Metaverso, onde assistimos a uma transição do mundo físico para o virtual, desafiam os profissionais de comunicação a “desbravar” território e deixar as primeiras pegadas e orientações do marketing nesses universos. Tal como com o aparecimento da internet e dos Social Media e o advento do marketing digital, surge agora o marketing “metaversal”.

Os avanços tecnológicos obrigam a que os marketeers se reinventem e, com eles, reinventem a indústria do marketing. Criar tendências não é tão fácil quanto seguir as velhas normas, mas perdemos mais tempo a reagir quando somos confrontados com situações inesperadas, do que a gerir uma situação expectável. Dos hábitos de consumo a técnicas para envolver o público, é urgente que os marketeers repensem o marketing do futuro para que se possam munir das ferramentas necessárias para o enfrentar. É o ir para além da adaptação e adoptar uma atitude proactiva, ao invés de uma reactiva.

Vivemos realidades permeáveis. Podemos pensar o contexto onde nos inserimos como um sistema aberto que depende de uma troca de inputs e outputs com o ambiente. Próprio da natureza de uma sociedade global que se desenvolve a um ritmo cada vez mais acelerado. Os novos padrões de consumo, a complexidade do mercado e a constante inovação de produtos e serviços obrigam a que um marketeer se posicione como um agente de mudança.

A tecnologia não evoluiu ao ponto de termos bolas de cristal que nos indiquem o que o futuro nos espera, mas não podemos ficar de braços cruzados à espera de sermos apanhados de surpresa. É imperativo que os marketeers se desprendam do costume, tradição e conformidade para que, desta forma, sejam verdadeiramente funcionais e não só mais um funcionário. E para aqueles que se deixam ficar para trás, então… era uma vez um marketeer!

Artigo publicado na revista Marketeer n.º 317 de Dezembro de 2022

Ler Mais



loading...
Artigos relacionados

Comentários estão fechados.