“A Olá é a marca de gelados preferida dos portugueses”

ola

Algumas perguntas a…. Nuno Silva, director de marketing da Olá

A Olá tem vindo a fazer um esforço no sentido de esbater a curva da sazonalidade e entrar em novas ocasiões de consumo. Que resultados?

Os resultados estão a ser bastante positivos. Ao longo dos últimos anos temos verificado que os consumidores consomem cada vez mais gelados fora da chamada época alta do Verão. O consumo per capita em impulso é, juntamente com a Turquia, o mais alto do mundo, chegando aos 15 gelados por ano. O aumento do consumo que se verifica nota-se essencialmente a nível do consumo em casa – para ter uma ideia, 50% dos lares portugueses são hoje consumidores de gelados, o dobro de há cinco anos, com especial ênfase nos lares de Lisboa e Porto. Nesta área temos vindo a reforçar a nossa aposta, através da inovação no segmento Premium com Carte d’Or e no lançamento de soluções.

E qual a importância da abertura de pontos de venda próprios para a construção e afirmação da marca?

As Lojas Olá existem desde Abril de 2000 e desde então estes espaços não têm parado de crescer. Actualmente existem 37 pontos de venda, de norte a sul do País, que marcam presença sobretudo em centros comerciais. Estes pontos de venda revelam-se estratégicos para a ambição de estarmos onde está o consumidor, já que nos permite estar nos centros comerciais, um local que se enraizou nos hábitos portugueses. Por outro lado, este é um segmento em que a sazonalidade não é tão acentua-da. Além disso, estes espaços permitem uma verdadeira experiência integrada de marca, onde podemos dar total expressão ao que entendemos como sendo uma experiência Olá, o que vai desde a decoração à apresentação de promoções ou produtos exclusivos, como os Swirls ou o mais recente Twister.

(…)

Por Maria João Vieira Pinto

PARA LER O ARTIGO NA INTEGRA CONSULTE A EDIÇÃO IMPRESSA (MARKETEER Nº158)

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

Multipublicações

Human Resources
Tem dificuldade em encontrar espaços para conferências? Há salas renovadas em Lisboa.
Automonitor
Volvo quer impacto climático neutro em 2040