5 dicas para evitar fraude digital durante a Black Friday

A pressa em conquistar aquilo que parece ser um bom negócio pode fazer com que os consumidores não tenham tanto cuidado como deveriam no momento de fazer uma compra online. Com a Black Friday à porta, a Check Point alerta para a necessidade de adopção de comportamentos mais seguros e atentos.

«A grande acessibilidade ao comércio electrónico permite que em épocas de descontos, como por exemplo a Black Friday, o número de vendas dispare. Como consequência, os cibercriminosos aproveitam estes momentos para tentar ficar com os dados, bancários ou até mesmo pessoais, dos utilizadores», sublinha Eusebio Nieva, director técnico da Check Point para Espanha e Portugal.

Eis cinco dicas deixadas pela empresa de software para evitar fraude digital:

1 – Evitar redes Wi-Fi não seguras. Esta dica serve para a Black Friday mas também para os restantes dias do ano: as redes Wi-Fi públicas e abertas, como as que se encontram nos aeroportos ou centros comerciais, podem não ser as mais seguras. São, por isso, um alvo apetitoso para piratas informáticos;

2 – Navegar apenas em websites seguros. Seguindo a mesma lógica do conselho anterior, a Check Point sugere que as compras sejam realizadas apenas através de websites seguros. Os utilizadores devem verificar se a plataforma segue o protocolo HTTPS e desconfiar sempre daquelas que não apresentam este conjunto de letras no seu URL.

Também poderá ser boa ideia verificar os contactos disponíveis no site e rever a informação legal disponível. Se, ainda assim, restarem dúvidas, os internautas podem recorrer a sites como blackfridayscom.tld, black-fridaywalmart.tld ou WHOIS para saber há quanto tempo os domínios estão activos – se estiver activo há pouco tempo, é possível que seja uma página criada por cibercriminosos para atrair consumidores em busca dos melhores descontos;

3 – Rever a política de devolução. Antes de efectuar uma compra, é prudente estar a par da política de devolução do site, que deverá ter uma secção inteiramente dedicada a este assunto. “Se não existe esta secção, é sinal de que o e-commerce não é fiável”, alerta a Check Point, acrescentando que “se o website não tiver uma página para explicar como podemos obter uma devolução do dinheiro, então significa que essa página não tem intenção de devolver”.

4 – Desconfiar de todas as ofertas nas redes sociais. As compras online não estão limitadas a plataformas de comércio electrónico e as redes sociais também começam a ganhar terreno nesta área. No entanto, em alturas como a Black Friday, os utilizadores podem receber notificações a dar conta de descontos que, na verdade, não existem. Desconfiar deverá ser palavra de ordem. O melhor será confirmar qualquer oferta que pareça demasiado boa com a equipa de suporte ao cliente do site em questão;

5 – Utilizar apenas métodos de pagamento seguros. O último conselho da Check Point para evitar fraude digital está relacionado com a forma como se pagam as compras. Sistemas como PayPal, que não partilha dados bancários e oferece garantias no caso de o produto nunca chegar ao destinatário, apontados como as melhores opções. É fundamental, diz a empresa de software, “identificar que o website contém ícones de validação reais, como na secção de pagamentos (tem que se conseguir fazer clique, não pode ser apenas uma imagem) e nunca se deve aceder a métodos de pagamento rápido sem comprovar que tudo está correcto”.

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

Multipublicações

Human Resources
Deloitte tem nova liderança no Marketing e Comunicação
Automonitor
Elétricos: Galp vai inaugurar primeiro ponto de carregamento em São Miguel