Tudo na vida é um concurso

susanaalbuquerque2Na abertura da época, e como presidente do Clube de Criativos, tenho que confessar que tenho uma relação de amor/ódio com os festivais.

No seu pior, um Festival de Publicidade é uma feira de vaidades, um íman para criativos egocêntricos, capazes de manipular e inventar trabalho que não existe, subvertendo o negócio para ganhar cinco minutos de palco e uma promoção na carreira. Mas, no seu melhor, um Festival de Publicidade é uma feira de talentos e de mérito, cheio de gente que gosta do que faz e tem orgulho na profissão que escolheu. Detesto tanto os bicos dos pés como a vergonha profissional.

Mas nos festivais, entre jurados, premiados, palestrantes e público, encontro sobretudo gente que não desiste, curiosa e talentosa, inquieta por natureza e insatisfeita por vocação, nerds que, quando muitos dizem que já está bem, acham que ainda se pode fazer melhor. Gente que acha que o trabalho não é só uma coisa chata que nos obriga a ir para o mesmo sítio todos os dias, mas também um entusiasmo que nos pode levar a lugares diferentes em quase todos os projectos.

Os Festivais de Publicidade são os nossos simpósios da ambição criativa. Nas fichas de inscrição, só se preenche o que se conseguiu, não há espaço para preencher o que ficou pelo caminho ou para atribuir responsabilidades aos outros. Não há conferências sobre o queixume, só há apresentações de quem faz e como consegue fazer.

Não há misericórdia com os perdedores, eles tendem a ser invisíveis, o que é uma péssima sensação, a invisibilidade (mais ainda do que não ganhar um prémio). Se ganhas estás em alta, se não ganhas é como se não existisses. Esta awards way of life é orientada para o sucesso (felizmente dura poucos dias por ano), e quando assim é, sabe melhor estar do lado vencedor da barricada. Mesmo assim, até quando regressamos de mãos a abanar, somos contagiados pelos melhores e trazemos para casa uma dose de optimismo e a sensação de que “para o ano sou eu”.

Às vezes zangamo-nos com os festivais porque não concordamos com os critérios, porque não escolheram os nossos trabalhos, porque não reconhecemos o júri, porque é só um negócio, porque não reflectem a realidade do (mau) trabalho que anda na rua, ou apenas porque estamos sem dinheiro para as inscrições. Mas qualquer festival tem o objectivo de premiar o mérito e promover a excelência e esse é um objectivo obviamente bom, mesmo havendo muita gente que não está nem aí para este campeonato. E é um objectivo bom para Portugal. Destes festivais também saem contactos, convites para mostrar e promover o trabalho de cada um noutros países.

Dos festivais de publicidade saem prémios e orgulho próprio, mas também reputação e potencial de negócio. É assim em qualquer país, embora seja mais para uns países do que para outros.

Vim a pensar nisto no regresso de Istambul, onde aconteceu o Festival Intercontinental de Publicidade – The Cup, um festival sem fins lucrativos que agrega o melhor dos melhores no FIAP (ibero-americano), no ADC/E (Art Directors Club of Europe), no Golden Drum (o festival da nova Europa) e no Adfest (o festival da Ásia Pacífico).

´

Portugal esteve representado pelos This is Pacifica, vencedores no Festival do CCP e depois no ADC/E. Não saímos de Istambul com prémios, mas que isso não nos faça desistir de ganhar. Somos sempre confrontados com a grandiosidade dos ingleses, franceses, japoneses, alemães e brasileiros, que nos fazem sentir pequeninos.

Mas todos os anos vemos boas ideias de mercados iguais aos nossos serem premiadas pela relevância, pela frescura e pela excelência da execução.

Temos muita gente em Portugal que não desiste, tão boa como os melhores em qualquer parte do mundo, gente que faz bem, relevante e diferente. Temos “uma pequena demonstração” do Escritório para a Microsoft, as janelas de 19 caracteres da TBWA, o Inverno psicológico da JWT para a Sumol, o QR code de calçada portuguesa da Partners, a carta ao Papa da BAR para a Jason, a aldeia global da Havas para a Optimus, a exposição que não deveria existir e o IndieLisboa da Leo Burnett, só para dar exemplos dos últimos meses.

Temos tudo o que é preciso, só nos falta algum dinheiro e vontade de estar ao lado dos melhores do mundo. Como diz e bem a campanha deste ano do FIAP, “Todo en la vida es un concurso. El que no participa, no gana”.

Texto Susana Albuquerque, Creative director da Lintas

Fotografia  Paulo Alexandrino

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
A carregar...