3 mitos sobre influenciadores digitais

Para evitar que as marcas tomem más decisões com base em conceitos pré-concebidos que circulam pela indústria, a Hypr reuniu três mitos sobre influenciadores que acredita ser necessário desconstruir. Segundo a plataforma de Marketing de Influência, são mitos muitas vezes difundidos pelos próprios influenciadores (ou por managers) que querem aumentar o seu valor:

1 – Os influenciadores podem tornar um produto cool, como que por mágica. A Hypr sublinha que os influenciadores não têm poderes especiais e que apenas são eficazes quando promovem produtos em que a sua audiência está interessada. Neste sentido, poderá fazer mais sentido levar em consideração as características do público do que o aspecto do feed na hora de escolher um influenciador com quem colaborar: ter seguidores alinhados com o que a marca tem para comunicar será mais vantajoso do que publicar fotografias bonitas;

2 – Os influenciadores conhecem o seu público… Deixem-nos comandar o processo. A Hypr ressalva que pode existir alguma verdade neste mito, mas que nem sempre é o melhor caminho uma vez que os influenciadores não são, na maioria dos casos, marketers profissionais. Conceitos como targeting e call to action podem ser estranhos para os influenciadores e o ideal será guiá-los e criar a estratégia de conteúdo em conjunto;

3 – O engagement de uma publicação sobe se for partilhada por um influenciador. De acordo com a Hypr, o facto de determinada publicação ser partilhada por um influenciador não é, por si só, sinónimo de sucesso. Os níveis de engagement entre público e marca não vão subir por uma imagem ou vídeo sobre a insígnia ter sido publicada por um influenciador digital e não pela própria marca. A qualidade do conteúdo continua a ser o trunfo mais poderoso.

Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

Multipublicações

Human Resources
Hotéis InterContinental do Sul da Europa têm novo director comercial
Automonitor
Que carro compro agora? Ramón Calderón aconselha um carro a GNC