3 dicas para maximizar o impacto de uma marca

Leesa Eichberger, responsável de Brand Marketing da seguradora norte-americana Farmers Group, acredita que estamos perante a democratização dos meios: qualquer marca, independentemente da sua dimensão, consegue partilhar a sua história, produtos e serviços com todo o mundo sem gastar quantidades avultadas de dinheiro. Tudo por causa da internet, especialmente das redes sociais.

O que podem, então, fazer as marcas para se diferenciarem? Numa apresentação durante a Brandweek, conjunto de conferências organizadas pelar revista Adweek, a profissional indicou as três dicas que qualquer insígnia deve seguir caso queira conquistar a atenção dos consumidores:

1 – Conhecer a audiência. Apontar ao público-alvo errado é um dos principais erros que as marcas podem cometer, de acordo com Leesa Eichberger: não serve de nada apresentar uma promoção referente a refeições infantis a um adulto sem filhos. A responsável aconselha também a apostar no desenvolvimento de conteúdos que tornem as marcas memoráveis. Pode ser um jingle ou um anúncio, desde que fique na mente dos consumidores. Nesse sentido, é importante perceber o que poderá resultar com o público da marca;

2 – Construir relações. Os laços que ligam consumidores e marcas podem fazer a diferença entre ser apenas uma commodity ou algo com o qual as pessoas se preocupam. O segredo, neste caso, está numa comunicação que leve o público a ficar entusiasmado com a ideia de comprar um produto ou serviço de determinada marca;

3 – Aproveitar todos os dados disponíveis. A tecnologia trouxe consigo a possibilidade de recolher dados sobre os consumidores e, assim, conhecê-los melhor. As marcas devem aproveitar estes recursos e utilizá-los em seu benefício, descobrindo, por exemplo, de que forma cada público gosta de ser impactado e quais os seus interesses. Recolhidos os dados, está na altura de «apostar numa estratégia de cross-media centrada no cliente», de acordo com Leesa Eichberger.

Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

Multipublicações

Human Resources
Patrões portugueses são os menos instruídos da Europa
Automonitor
História: O dia em que o Papamóvel foi salvo