CBRE desafia a viver offline

Sabe o que é cybercondria, nomophobia ou phubbing? São síndromes associados ao uso excessivo de novas tecnologias, sejam videojogos ou redes sociais. São também o ponto de partida para a campanha “Contr@dição” da CBRE, através da qual a empresa pretende contrariar a adição online com uma alternativa offline.

A campanha de responsabilidade social ambiciona, por um lado, alertar para as potenciais consequências da utilização excessiva da tecnologia e, por outro, promover o convívio em família como solução para o problema. Lançada a nível ibérico, a campanha tem como pilar principal um vídeo que dá a conhecer as “epidemias tecnológicas”, sendo complementada com conteúdos educacionais em formato digital e com acções de sensibilização em quatro centros comerciais geridos e comercializados pela CBRE.

Já no próximo sábado, dia 1 de Junho, o Forum Aveiro desafia os seus clientes a conviver offline através de jogos de tabuleiro, que estarão disponíveis entre as 11h e as 18h na Praça da Estrela (piso 0) – também serão distribuídos jogos Mikado e brochuras informativas. As restantes acções terão lugar em centros comerciais espanhóis (El Boulevard, Ribeira Del Xúquer e Parc Central).

«As novas tecnologias invadiram o quotidiano da sociedade moderna e, como tal, é de extrema importância sensibilizar o uso saudável das mesmas. Optámos por levar a cabo uma campanha vídeo e digital pois é nesse ecossistema que podemos encontrar as pessoas que são afetadas pelo uso indevido destes dispositivos», explica António Simontalero, country manager da CBRE Global Investors em Espanha e Portugal.

Em comunicado, o responsável sublinha ainda que acções como estas vão ao encontro do compromisso da empresa no sentido de impactar de forma responsável as comunidades onde a CBRE está inserida. A campanha foi co-desenvolvida pela Hill+Knowlton Strategies Portugal e pela Burson-Marsteller Espanha.

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

Multipublicações

Human Resources
Portugal atraiu 610 estrangeiros «altamente qualificados» através deste programa
Automonitor
Regulamento da mobilidade elétrica obriga a celebrar contratos de adesão